CTLF Corpus de textes linguistiques fondamentaux • IMPRIMER • RETOUR ÉCRAN
CTLF - Menu général - Textes

Aulete, Francisco Júlio Caldas. Grammática Nacional – T02

| Table des matières | Fiche | Texte |

[Grammatica nacional]

Programmas officiaes para o estudo da lingua
portugueza

(Os numeros que se acham entre parentheses indicam os logares na
grammatica em que se trata da doutrina do programma).

Para admissão aos lyceus nacionaes.

I Definição de grammatica, (art. 38).

II Palavras. Decomposição das palavras. Palavras variaveis
e invariaveis, (art. 1 a 20 e 45).

III Palavras variaveis, (art. 45).

Substantivo: proprio, commum e collectivo (art. 46,
47, 48 e §).

Pronome, (art. 50 a 53).

Adjectivo: qualificativo e determinativo. Determinativos
articulares. Demonstrativos, possessivos, relativos e
numeraes, (art. 54 a 58 e §§).

(a) Numero, genero e graus de comparação dos nomes,
(art. 89 a 96 e 105 a 112).

Verbo transitivo e intransitivo; regular e irregular,
(art. 59, 62, 63, 64 e 98).

(a) Conjugações dos verbos regulares, (art. 98).

(b) Conjugações dos verbos irregulares ser, ter, haver,
estar, dizer, fazer, poder, pôr, saber, trazer, valer, ir, vir,
(art. 98).

IV Palavras invariaveis. Conhecimento pratico das preposições,
conjuncções, adverbios e interjeições, (art. 68 a
84).

V Discurso, periodo e oração, (art. 21 a 23).

Oração absoluta e orações complementares, (art. 34
a 37).

Elementos da oração: sujeito, verbo, attributo e complemento,
(art. 24 a 37 e 270).

VI Syntaxe regular. Regras principaes de concordancia
do sujeito com o verbo, do adjectivo com o substantivo,
(art. 117 e 131).

VII Analyse, (art. 22 a 37 e 270).

Do sentido: explicação das palavras e phrases, (270).

Da syntaxe, (art. 22 a 37 e 270).145

(a) Orações absolutas e complementares, (art. 22 a 37
e 270).

(b) Elementos da oração: sujeito, verbo, attributo e complementos,
(24 a 27).

VIII Syntaxe figurada: ellipse e syllepse, (art. 183, 188,
189 e 207).

IX Vicios de linguagem, (249 a 258).

As provas por escripto, a leitura e a analyse, podem ser
feitas em qualquer dos livros approvados para a leitura de
instrucção primaria. (Este anno fizeram-se quasi todos os
exames no lyceu de Lisboa pela Selecta Nacional).

Para o primeiro anno do portuguez nos lyceus.

Leitura de prosa, em voz alta 15 minutos, no começo
da aula. (Esta leitura é feita no lyceu de Lisboa na Selecta
Nacional).

Revisão da grammatica elementar aprendida na instrucção
primaria. (Veja-se o programma de admissão aos lyceus).
Exposição e analyse do sentido de trechos selectos. (O
livro adoptado pelo lyceu de Lisboa para estes exercicios
é a Selecta Nacional).

Formação e derivação das palavras dentro da lingua portugueza.
Principaes prefixos e suffixos. Os que são simplesmente
euphonicos, (art. 13 a 19 e 211 a 313).

Prosodia. Regras capitaes. (Leitura de trechos selectos
para a applicação das regras.) Vicios da pronuncia, (art.
243 a 258).

Regras geraes de orthographia. Pontuação. (Phrases dictadas
pelo professor para exercicios orthographico, art. 220
a 242).

Classificação e funcções do substantivo. Formação do plural
dos nomes compostos, dos nomes estrangeiros e das
phrases e vocabulos estranhos empregados substantivamente.
(Exemplos.) Emprego qualificativo dos substantivos. (Exemplos.)
(art. 46 a 49 e 210).

Adjectivo: suas funcções, e em especial como determinativo.
Graus de significação. Adjectivos substantivados e
adverbiados, por que modo, (54 e §. 210 §).146

Divisão e funcções do pronome. Casos dos pronomes
pessoaes, (85 §. 139 e 140, 164 a 166, 190 e 197).

Classificação dos verbos. Quadro das conjugações. Formação
dos tempos simples e dos tempos compostos. Verbos
irregulares. Conjugação de verbos em que commumente
se erra, taes como aguar, construir, prover, sobrestar,
precaver, minguar, entreter
, etc. (art. 59 a 69 e seus §§,
98 e 101).

Uso dos participios, (art. 99. 210, § 3).

Preposições; relações que exprimem. Locuções prepositivas,
como se formam, (art. 73 a 76, 145 a 154).

Adverbios; considerados quanto á sua significação; formados
com o suffixo mente. Locuções adverbiaes, (art. 68
a 72, 210 §, 212 § e 267).

Conjuncções. Principaes relações que exprimem. Locuções
conjunctivas, (art. 77 a 80).

Partes essenciaes da oração, (art. 24 a 33).

Classificação das orações. Como se distinguem. Regras
da sua coordenação e subordinação, (21 a 37).

Classificação e ordem normal dos complementos. Quando
é permittida a sua inversão. (Exemplos do bom uso d’esta
faculdade
) Regencia dos complementos. Complementos ellipticos.
Verbos que não podem ter o mesmo complemento,
quando pedem differente preposição, (art. 145 a 158, 195
a 197 e 209).

Exercicios de syntaxe de concordancia, oraes e por escripto.
Concordancia peculiar do verbo impessoal haver e
dos que o determinarem. Quando os adjectivos numeraes
ordinaes continuados, precedem o substantivo, ou se lhe
seguem, qual é a concordancia, (art. 117 a 143, 207,
256 a 270).

Exercicios de syntaxe de regencia, oraes e por escripto,
(art. 145 a 156).

Construcção directa, construcção inversa das palavras e
orações, (art. 155 a 182 e 209).

Exercicios de construcção.

Composições faceis, escriptas na aula.147

Para o segundo anno do portuguez dos lyceus

Leitura em voz alta, de prosa e verso 15 minutos, no
começo da aula. (Selecta Nacional).

Revisão do estudo da syntaxe feito no primeiro anno.
(Vide programma do 1.° anno).

Exercicios repetidos da regencia das preposições, por ser
a parte mais difficultosa da syntaxe, (art. 145 a 156).

Funcções diversas da particula se. Modos de evitar a sua
repetição, e de remover as ambiguidades que póde causar.
(Exemplos), (art. 104, 143, 147, 148 e 149).

Enumeração das accepções e emprego do vocabulo que.
Modos de o subatituir ou de supprimil-o sem prejudicar a
clareza, (art. 104, 120, 121, 122, 123, 143, 147, 148 e
149, 108 §).

Pratica do emprego dos tempos e modos dos verbos, (art.
100, 104 e 210 §).

Orações do infinitivo pessoal, com o sujeito expresso e
com o sujeito occulto. Casos em que se póde empregar a
fórma pessoal, (art. 144).

Syntaxe figurada. Ellipses mais frequentes da construcção
vernacula. Syllepse, zeugma e enallage. (Exemplos
d’estas figuras
.) Hyperbato e pleonasmo, quando são viciosos.
(Exemplos), (art. 183 a 210).

Idiotismos. Synonimos, (art. 252).

Exercicios, oraes e por escripto, sobre as principaes difficuldades
syntacticas e orthographicas, (art. 117 a 233).

Leis da harmonia do periodo, (art. 181).

Cacophato, hiato, ecco. Modos de evitar estes vicios contrarios
á harmonia da linguagem. Quando se toleram por
onomatopêa, (art. 214 a 219).

Solecismo e barbarismo, (art. 256 a 257).

Regras de metrificação. Leitura de excertos de poesia
selecta, para a medição dos versos. (O livro adoptado no
lyceu de Lisboa para este estudo é a selecta do sr. Midosi.)

Breves composições de genero epistolar, narrativo, etc.,
feitas na aula.148